Pages Navigation Menu

DITOS & ESCRITOS

VOTO, PAIXÃO E MANIPULAÇÃO

William Gropper, Leilão de Arte (1959)

  1. A relação do eleitor com o candidato opera significantes da autoridade paterna do primeiro sobre o segundo. Ou seja, depositamos inconscientemente sobre a figura do candidato confiança, esperanças e acima de tudo poder para ele guiar nossas vidas.
  2. Projetamos sobre o candidato, por meio das identificações, qualidades que, sabemos não ter, mas que desejaríamos ter para tornar nosso mundo melhor.
  3. Traços da relação infantil, onde a criança vê seu pai grande, poderoso e protetor, operam esta relação entre o eleitor e o candidato, sem que dela tenhamos a mínima consciência.
  4. O espetáculo das eleições, com seus marqueteiros e estratégias de convencimento, encontra terreno fértil naqueles eleitores que, capturados por esse poderoso afeto infantil buscam não apenas um gestor do poder público e suas diversas políticas, mas um Pai.
  5. Quando esse “Pai” exercendo uma narrativa, fundada em sua história e o contexto social é de desamparo, aí ele potencializa seu poder, transforma-se em um Mito.
  6. É a massa em desamparo, abrindo mão da razão e da mais simples e palpável realidade, que constrói esse Mito. O Mito não se constrói, é resultado dessa relação imaginária do eleitor com o candidato, onde afeto e paixão passam a ser seus principais combustíveis.
  7. Basta que um Pai (Candidato) perverso seja objetivo desse nosso apelo imaginário para ele manipular nossas vidas, levando muitas vezes um país ao desastre.
  8. É necessário que o eleitor mate esse Pai mítico e veja apenas um igual que vai receber uma delegação limitada de poder para gerir o Estado.
  9. O voto deve ser despossuído de paixão, essa eu uso em outras relações como o amor pela companheira, pelos filhos; ou por um projeto pessoal de vida, etc.
  10. A democracia, a forma suprema de constituição de uma sociedade, que nosso processo civilizatório alcançou, é rebaixada, tornando-se vulnerável a recuos e perdas quando o voto-paixão, em detrimento da razão, elege um Mito.

 

Recife, setembro de 2018

***

João Rego
Ditos & Escritos
É engenheiro, consultor, mestre em ciência política com formação em psicanálise.
www.joaorego.com/politica

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This