Europa 2007 – Viagem para Lisboa.

jun 27, 2014 by

A Travessia do Atlântico.

João Rego, Lisboa 2007.

Estava munido de muita expectativa, ansiedade, algumas roupas – sempre organizadas por Elba-, e da máquina que Guilherme me deu, uma Kodak Z 710, de 7 MPixels, com zoom ótico 10X e tripé.

Havia a pretensão de além de curtir a viagem, registrá-la com fotos, textos e vídeos e publicar tudo em um blog.

Qual o sentido desse trabalho todo?

É que nós, eu e Elba, após anos e anos educando filhos e dando suporte para que eles construíssem seus destinos, havíamos decidido usar nossa poupança para viajar, batendo pernas pelos quatro cantos do mundo.

O fato de Guilherme, nosso filho mais novo morar e trabalhar nos EUA, tendo apenas dez dias de férias por ano, é uma variável a mais para a gente se encontrar nas viagens.

Assim, o registro de cada uma dessas viagens, além de compartilhar tudo com os parentes e amigos, serve como balizamento e estímulo para as outras que virão.

O voo para Lisboa.

A turma: eu, Elba, Antônio Carlos, Fabiana e Norma. Dois casais acompanhados da sogra.

Saímos no horário certo apesar dos problemas em todos os aeroportos há poucos dias.

Norma, através de Ricardo, conseguiu viajar na classe executiva, e nós, pobres mortais, fomos na econômica mesmo. Eu, como raramente consigo dormir, já vou preparado para ficar perambulando pelo avião. Ficar espremido naquela cadeira apertada, sem ter onde botar os meus pés com tênis Nº48, é um desafio arretado.

Registrei, só por fofoca, alguns vídeos de dentro do avião.

Notem que utilizei o mesmo recurso que Steven Spielberg utilizou em ET, naquela cena no início do filme, quando ele (E.T, não Spielberg) corre pela floresta. Pendurei a câmera no pescoço a filmei a movimentação dentro do avião, pois de outra forma iria constranger as pessoas.

Em um dos filmes há um cara, de estatura pequena- uma forma educada de chamá-lo de baixinho- com os pés na parede a frente do seu assento. Esse é Zé Nivaldo, sócio de Marcelo na Makplan, gente boa e com um papo arretado para se curtir. Foi o que fizemos quando acordamos. Por coincidência a minha vizinha era uma dentista de Surubim, terra de Zé Nivaldo, aí foi aquele entrosamento. E tome estórias engraçadas.

Mas o que eu queria mesmo era registrar a minha enorme inveja de Zé Nivaldo, ali esparramado que nem um paxá, enquanto eu iria enfrentar uma noite sem dormir, onde o programa mais agradável seria ficar entre o banheiro e a copa, vendo o povo entrando e saindo do banheiro e a tripulação ali, de mal humor, te esperando sair para tirar um cochilo.

E foi o que fiz.

Medo mesmo de avião eu não tenho, mas na minha visão materialista, não deixo de pensar um pouco na extrema vulnerabilidade humana quando estamos a 10.000 metros de altura dentro de um deles. Um mecanismo de defesa contra a ansiedade gerada por esse pensamento tão pragmático é: primeiro, confiar nas estatísticas; e segundo, elogiar o enorme talento tecnológico do homem para fazer cosia incríveis e assustadoras, uma delas é botar um bicho pesado daquele para atravessar o Atlântico, cheio de gente e, ainda por cima, com as janelas fechadas.

***

DITOS &ESCRITOS
João Rego
joaorego.com

 

Related Posts

Share This

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *