A Camille Claudel de Ceronha Pontes.

abr 27, 2014 by

A Camille Claudel de Ceronha Pontes.

* João Rego

Uma luz abre suavemente o cenário. Deitada sobre um monte de barro vermelho começa a surgir a silhueta sensual de um corpo de mulher. É uma jovem e bela mulher, que durante uma hora meia irá nos emocionar representando Camille Claudel, a genial escultora francesa abandonada por Rodin, seu mestre e ex-amante, que após surtos psicóticos é trancafiada em um manicômio onde irá viver seus últimos anos de vida. Foram trinta anos internada, na maior parte do tempo, sedada e amarrada em uma cama.

Ceronha incorpora de forma surpreendente Camille aprisionada em uma relação de amor-ódio por Rodin, realidade que, para ele, já fazia parte de um passado, mas para sua loucura era o seu alimento diário. Sabia-se genial, e de fato era, tanto que alguns historiadores comparam suas obras com a mesma qualidade do seu famoso mestre.

A peça de Ceronha explora com intensidade inusitada o drama e a angústia de uma alma que navega, a cada instante, entre o delírio e a dura realidade em que ela, Camille, vive seus últimos anos de vida. Seus mecanismos de defesa, se é possível identificá-los, era lembrar-se da sua infância em Villeneuve brincando com a argila vermelha em busca de desenterrar ‘diabinhos’ na areia. Em outros momentos delira, vendendo suas obras para um público imaginário onde a atriz nos puxa, de forma hábil e corajosa, para o centro da peça. Somos de fato, parte concreta dos seus delírios e suporte para sua atuação. Comemos com ela, sofremos e nos assustamos com a intensidade do seu sofrimento. É possível ouvir risos nervosos na plateia, certamente reflexo de algum efeito que a atuação desta jovem e talentosa atriz provoca em nosso espírito.

Mesmo quem não conhece a vida de Camille Claudel, no desenrolar do monólogo os recortes da sua vida vão se desvendando, num fluxo diacrônico, tecido pelo presente e o passado, pelo choro e o riso, motivado pelas lembranças que escapam do pesado manto dos fortes sedativos.

Sempre foi assim na história da loucura, aquilo que foge à “normalidade” em um comportamento que nos causa estranheza deve ser aprisionado, afastado e forcluído da nossa existência, pois, como seres constituídos na relação especular com o outro, é insuportável para nós, “normais”, ver-nos diante de um outro que não corresponde ao que achamos que somos. O discurso psicótico nos aterroriza porque ameaça nossa frágil percepção de nós mesmos. Nos desestabiliza das nossas certezas de ser.

A força impulsionadora da peça é exatamente essa instabilidade no discurso da personagem; momentos de extrema lucidez, beleza e sensibilidades alternados com a loucura de seus delírios, único suporte psíquico possível para não afundar na pura angústia. Ali onde a linguagem não chega, onde há apenas sofrimento.

Ceronha chora, rasga as vestes, grita num esforço de interpretação que se leva ao limite das suas forças, e da nossa também.

Para minha surpresa, ao final, ela revela que esta era a segunda sessão na mesma noite.

A atriz cearense lembrou-me uma Marília Pera jovem – há muito tempo – com o mesmo talento, e uma madura coragem para interagir com a plateia e se entregar como quem se lança num abismo, num mergulho profundo na alma da personagem. Um desafio para poucos.

***

Este texto foi publicado originalmente na Revista Será? onde se permite a discussão sobre o tema. Para ter acesso ao texto e suas críticas clique aqui >>>

 

A Camille Claudel de Ceronha Pontes FINAL

A Camille Claudel de Ceronha Pontes – By João Rego

 

DITOS & ESCRITOS
João Rego
joaorego.com

إيروس وثانتوس

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *